24.1.16

A mágica lua!

      Hoje, alguns amigos publicaram no Facebook fotos da lua que eu vi ontem e que também fotografei. Esta lua me fez lembrar duas emoções que senti há muitos anos..

* Florianópolis, 23 de janeiro de 2016, às 20 hs e 37 min


                                                     * Florianópolis, 23 de janeiro de 2016, às 20 hs e 44 min                                                  


No Natal de 1974 eu estava em Salvador.
A televisão transmitia ao vivo a Missa do Galo, em Roma, e mostrava a lua, que estava cheia.
Fui ao jardim e vi a lua.
E só ali me dei conta, já adulta, que a lua que víamos, nos dois lugares tão distantes, era a mesma!

Em 1982, o artista plástico uruguaio Carlos Paez Vilaró publicou o maravilhoso livro: "Entre mi hijo y yo la luna" onde relata a sua busca pelo filho, um dos sobreviventes do acidente nos Andes, em 1972.
Lá, conta o que filho sentia naquela imensidão branca:
“Cada vez que veo la luna, pienso que mis padres también la están mirando y eso me mantiene junto a ellos.”
Enquanto que o pai, durante a busca, sentia o mesmo:
“Cuando la luna aparece detrás de las montañas pienso que mi hijo seguramente la estará observando. Tal vez sea lo único que ambos podemos ver sin vernos y nos sirva de espejo para mantener nuestras imágenes estrechamente unidas.”
E assim foi.

8.1.16

Meus netos: uma grande alegria!

Da direita para a esquerda e por ordem de chegada: Gabriel  e Ramiro (filhos do Ricardo e da Tati). 
À minha direita, Marcelo e, no colo, Luiza (filhos do Miguel e da Pati).
p.s. é bem difícil fazer uma foto com os quatro. Sempre um, no mínimo, faz careta, rsrsrsrs