6.6.10

gauchadas

Pode ser que meus conterrâneos do Rio Grande do Sul, não permitam mais a minha entrada no estado. Mas, tomara que isto não aconteça. Tenho muitos queridos e queridas por lá!

A cidade do sapo enterrado
Era uma vez uma cidade onde algum mal humorado enterrou um sapo.
Ela não é nem grande nem pequena, nem excepcionalmente bonita nem feia, mas seus habitantes acreditam que vivem na melhor cidade do mundo...
Na cidade do sapo enterrado nasceu a maior cantora do país, mas até hoje (27 anos depois da sua morte) nenhuma rua foi batizada com seu nome e há uma estátua horrorosa, feita em sua homenagem, que vagou durante um ano, de um lado para o outro, até acharem um lugar para ela.
Na cidade do sapo enterrado nasceu um grande músico, que revolucionou a música popular brasileira, maestro reverenciado pelos maiores músicos do país. Mas, além dele também não ter rua e nem mesmo estátua, na cidade ninguém sabe quem ele foi.
A cidade do sapo enterrado reverencia o seu grande romancista, o seu grande poeta, o seu grande compositor popular, o seu grande pintor, o seu grande cronista, todos reconhecidos nacionalmente. Interessante é que todos têm uma mesma característica, moram na cidade.
Parece que seus habitantes não suportam os que a abandonam para fazer sucesso mundo a fora. Até podem sair, mas desde que usem as roupas típicas e continuem tendo o sotaque regional.
Na cidade do sapo enterrado nasceu um jogador de futebol que já ganhou vários prêmios e, no mínimo, duas vezes o título de “Melhor do Mundo”, mas o time que o formou, o rejeita! Também, quem mandou ir embora?!
A cidade do sapo enterrado tem uma orquestra sinfônica (da qual seus habitantes dizem ter orgulho!) que foi fundada em 1950 e que até hoje não tem nem sede e nem teatro.
Na cidade do sapo enterrado está uma das mais importantes e conceituadas faculdades de arquitetura do país, mas foi preciso buscar um arquiteto europeu para que houvesse nela um prédio de reconhecida qualidade...
Na cidade do sapo enterrado, antigamente, havia animados carnavais nos bairros. Hoje ela tem um “sambódromo”, quase fora de seus limites físicos, onde é imitado o carnaval do Rio de Janeiro. Havia também festas de São João, na rua, nas escolas, nos clubes, mas hoje só se festeja o rélouim.
Nela há um lindo teatro público que tem uma dona mandona e todos estão convencidos de que, sem ela, o teatro não existiria.
Mas, nada disto tem importância porque a cidade do sapo enterrado tem o mais lindo pôr-do-sol do mundo...

Glossário:
1. cantora: Elis Regina;
2. maestro: Radamés Gnatalli;
3. o romancista: Erico Verissimo;
4. o poeta: Mario Quintana;
5. o compositor popular: Lupicinio Rodrigues;
6. o pintor: Iberê Camargo;
7. o cronista: Luiz Fernando Verissimo;
8. a orquestra: OSPA;
9. jogador de futebol: Ronaldinho Gaúcho;
10. time que o rejeita: não nomeio nem morta!
11. prédio de qualidade: Museu Iberê Camargo;
12. teatro público: Theatro São Pedro;
13. cidade do sapo enterrado: quem adivinha?...

Escrito em 2008. Publicado no www.previdi.com.br em setembro de 2009 e no http://www.sul21.com.br em maio de 2010.



Que mico!
Não entendo nada de futebol, mas como meu pai sempre foi torcedor fanático do Internacional, aprendi a gostar e, de vez em quando, assisto a um jogo na TV. Por conta do marido gremista, vi o jogo do Grêmio contra o Santos. Ao ouvir o repórter dizer que os gaúchos cantaram o Hino do Rio Grande do Sul, ao mesmo tempo em que era cantado o Hino Nacional, me enchi de vergonha.
No dia seguinte, estava no site da ESPN/Br que, além disto, como réplica à torcida santista que gritava “o imortal morreu”, os gaúchos chamaram os santistas de “filhos de nordestinos”, de “povo sem cultura” e depois cantaram novamente o hino do nosso estado.
Intencionalmente, escrevo gaúchos e não gremistas, porque é assim que fica para o resto do Brasil. Basta dar uma olhadinha em alguns dos quase 300 comentários dos internautas.
Que mico, meu Deus!
Durante quase dez anos morei fora do Rio Grande e, mesmo no exterior, convivi com gente dos mais diversos estados do Brasil.
Foi uma belíssima experiência!
Nunca quis ser diferente dos habitantes do lugar em que estava vivendo, muito pelo contrário. Quanto mais me mimetizava melhor (na época do golpe de Pinochet, consegui me safar da Dina, a polícia política, porque pensaram que eu era chilena).
Em 1981, quando retornei para Porto Alegre, algumas coisas esquisitas me chamaram a atenção. Como gosto muito de música, e era (e sou) fã da Elis, me pareceu estranho o pouco caso com que era tratada. Todo o Brasil a reverenciava, mas para muitos gaúchos ela era uma traidora porque, entre outras coisas, perdeu o nosso sotaque.
Mas, bah tchê!
Com o passar do tempo, vi novos hábitos se estabelecendo: a popularização do chimarrão entre os jovens e a criação de bares onde só se executava música nativista, entre outros. Vi também o crescimento de um sentimento (?) novo para mim: o orgulho de ser gaúcho. Os conceitos de nativismo, tradicionalismo e gauchismo tornaram-se importantes temas de debate, estabeleceu-se uma espécie de louvor à tão decantada identidade do gaúcho.
O MTG vai ganhando força, com a pretensão (conforme está em sua Carta de Princípios) de “promover, no meio do nosso povo, uma retomada de consciência dos valores morais do gaúcho”.
Ué, então quer dizer que existem valores morais específicos dos que nasceram no nosso estado?
Os festejos da Semana Farroupilha se tornaram mais importantes do que a Semana da Pátria, o “orgulho gaúcho” tomou conta de corações e mentes e, enquanto isso, nosso Estado entrou em um período de declínio.
Surpresos, descobrimos que temos políticos corruptos e servidores públicos desonestos; que já não é unânime a nossa condição de “celeiro do país”; que o nosso ensino não é mais o melhor do Brasil; que também temos a nossa própria “guerra do tráfico” e crimes políticos. Enfim, vemos (ou deveríamos ver?) que o nosso estado tem os mesmos problemas do restante do país. Se algum dia fomos, hoje não somos os melhores!
Dá tristeza pensar que estamos recorrendo à arrogância para não encaramos nossos problemas.
O comportamento dos gaúchos ontem, no jogo Santos x Grêmio, desrespeitando a execução do Hino Nacional e sendo preconceituosos com os nordestinos, será uma demonstração desta arrogância?
Fico com medo de onde isto pode nos levar. Afinal, a "Carta de Princípios” do MTG, aprovada em 1961 e ainda em vigor, diz ser um dos objetivos daquele movimento: “Buscar, finalmente, a conquista de um estágio de força social que lhe dê ressonância nos Poderes Públicos e nas Classes Rio-grandenses para atuar real, poderosa e eficientemente, no levantamento dos padrões de moral e de vida do nosso Estado, rumando, fortalecido, para o campo e homem rural, suas raízes primordiais, cumprindo, assim, sua alta destinação histórica em nossa Pátria.”
publicado no http://www.sul21.com.br em maio de 2010

2 comentários:

FALCÃO PEREGRINO disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
certa refrigeraçao disse...

em minha torpe ignorância, mesmo sendo desprovido de ensino superior e culturalmente analfabeto, reconheço a nossa grossura e não sabemos tratar a qualquer cidadão